Carlos Tavares: custo de movimentação de um contêiner aqui é o dobro dos grandes portos no exterior



LICITAÇÃO

Tempos atrás, - em pleito vitorioso com a Lei 8215/2013 - mais de 50 entidades empresariais, de todo o País, enviaram mensagem ao Governo recomendando “a eliminação do oneroso sistema de licitação financeira para arrendamento de áreas e instalações portuárias, substituindo-o por seleção de propostas que contiverem compromisso com tarifas menores e maior produtividade”. Na primeira rodada de licitações, somente o terminal Libra, de Santos gastou R$ 800 milhões, que não foram aplicados no porto e desapareceram nas trevas da burocracia. Porem, repassados aos usuários esses valores são finalmente pagos pelos consumidores, brasileiros e estrangeiros. Com isso, o custo da movimentação de um contêiner, no Brasil, vai além de US$ 250, mais do dobro dos grandes portos no exterior. A Lei 8215/2013 extinguiu as licitações, mas, agora, lamentavelmente foram restabelecidas.

EXEMPLOS

A empresa municipal (Havenbedrijf) que administra o porto de Roterdã – maior e melhor da Europa – para concessão de arrendamentos na nova área Maasvlakte 2 exigiu que os concorrentes tivessem movimentado 2 milhões de contêineres no ano anterior. E, para a extensão do porto francês de Le Havre, o Port-2000, a exigência-base foi que os interessados deveriam ser consórcios de terminais e armadores (donos dos navios). Critérios bem melhores que as licitações financeiras aqui adotadas, para felicidade dos políticos e encarecimento das exportações/importações.

CHINA

Para melhor avaliação dos rumos da economia mundial vale reproduzir trecho da reportagem publicada pelo Financial Times. Assinalou o prestigioso jornal inglês que a China não pode mais ser considerada pais “emergente”. Entre outros dados, assegurou: “Em termos de paridade do poder de compra (PPC) a China já é a maior economia do mundo e apesar disso ainda é classificada como emergente. O pais tem uma taxa de alfabetização de 96%, mais ferrovias de alta velocidade do que todos os outros paises juntos e mais estudantes universitários do que qualquer outro pais”.



menu
menu