Corte peruana autoriza venda de projeto de irrigação da Odebrecht para Brookfield

Um tribunal de apelação no Peru revogou a decisão que proibia a Odebrecht de vender seu negócio peruano de irrigação Olmos para um consórcio liderado pela canadense Brookfield Infrastructure Partners LP, informou o judiciário do Peru na segunda-feira (11).

A proibição, que tinha sido ordenada por uma procuradora do Estado que foi demitida em julho, tinha interrompido a operação acertada em novembro entre a Odebrecht, a Brookfield e a francesa Suez.

O tribunal de apelação disse que proibir a transação era inconstitucional e tornaria mais difícil para o Peru garantir reparações civis da Odebrecht por corrupção.

Venda de ativos

Desde que fechou um acordo de leniência, a Odebrecht está se reestruturando e anunciou o plano de vender R$ 12 bilhões em ativos.

As operações da companhia no exterior também foram afetadas pela decisão. Só no Peru, a empresa vendeu a usina hidrelétrica de Chaglla, a terceira maior do país, concessões de rodovias e o projeto de irrigação de Olmos.



menu
menu