Redes misteriosas de comércio ajudam a economia da Coreia do Norte

Para uma empresa pequena de Hong Kong que administra uma frota modesta de navios cargueiros, a Union Link International ostenta uma gama exótica de bandeiras —desde as da China e Tanzânia até Niue e Palau, ilhas do Pacífico.

Mas uma das bandeiras se destaca: ela tem uma estrela vermelha de cinco pontas sobre faixas horizontais largas de vermelho e azul escuro. É a bandeira nacional da Coreia do Norte, e a embarcação em que está hasteada, o navio Dolphin 26, é apenas uma em uma rede extensa que ajuda Pyongyang a sobreviver às sanções internacionais contra seu programa de armas.

Na segunda-feira o Conselho de Segurança da ONU aprovou novas medidas contra a Coreia do Norte e reiterou um acordo para a identificação e inspeção de embarcações suspeitas de estarem transportando mercadorias proscritas ao país. Mas a opacidade da rede de navios, pessoas e empresas que perpetuam esse comércio sugere que a comunidade internacional enfrentará um desafio enorme se quiser implementar as sanções.

Centenas de embarcações pertencem a empresas com sede em Hong Kong, onde não é ilegal fazer negócios com a Coreia do Norte. Documentos das empresas mostram que alguns desses navios são operados por norte-coreanos, mas a maioria tem o apoio de chineses.

"Essas redes devem ser importantes para a Coreia do Norte, porque a economia norte-coreana vem conseguindo fazer algo que nenhuma economia soviética no passado conseguiu: estabilizar a balança comercial e sua moeda", diz Nicholas Ebersdat, do think tank conservador American Enterprise Institute.

O grupo de pesquisas C4ADS, de Washington, detalhou as características das redes de transporte marítimo que são importantes para a Coreia do Norte. De uma amostra de 248 empresas que ele identificou que administram ou operam negócios ligados ao país, 160 são registradas em Hong Kong.

Um relatório do C4ADS observa que as empresas utilizam "esquemas diversos para disfarçar a quem pertencem de fato, incluindo o uso de bandeiras de conveniência nos navios, a criação de empresas fantasmas ou de fachada para registrar seus bens e o uso de camadas múltiplas de intermediários para fazer negócios".

O casco enferrujado do Dolphin 26 já viveu dias melhores. Em fevereiro, segundo o relatório disciplinar de um porto chinês, seus conveses estavam corroídos o bastante para chamar a atenção de fiscais. A embarcação foi vista pela última vez em maio no porto de Tianjin, no norte da China, segundo o serviço de rastreamento de navios MarineTraffic.

Não há evidências que sugiram que o Dolphin 26 tenha sido usado para infringir qualquer lei. Mas ele compartilha muitas das características de navios que são usados para isso.

O Dolphin 26 já trocou de proprietário registrado e gerente seis vezes e mudou seu nome três vezes nos últimos oito anos. Trocou de bandeira quatro vezes em cinco anos, segundo o banco de dados marítimo Equasis.

Especialistas dizem que, pelo fato de os navios mudarem de bandeira e serem adquiridos e depois vendidos por diferentes empresas-fantasma, torna-se muito mais difícil identificar padrões e rastrear as atividades dos responsáveis pelas empresas de transporte marítimo. A maioria das empresas compartilha endereços em Hong Kong com as firmas secretariais pagas para representá-las; é um esquema usado comumente por empresas fantasmas que não possuem bens reais no território.

Os outros navios administrados pela Union Link seguem padrões semelhantes. O Oriental Lady mudou de bandeira seis vezes desde 2003, tendo em dois períodos usado a bandeira da Coreia do Norte. O Zhi Hui usou bandeira norte-coreana quatro vezes desde 2006.

"Considerando o tempo, a energia e o dinheiro que essas empresas gastam para ocultar sua identidade real, só pode ser por uma razão importante", diz William Newcomb, ex-vice-coordenador do grupo de trabalho para a Coreia do Norte do Departamento de Estado dos EUA no governo de George W. Bush.

Xie Qun, a proprietária registrada da Union Link, diz que reduziu o "trabalho estressante" de administrar uma empresa de transportes marítimos para cuidar de seu filho e seus pais idosos. Falando em um restaurante McDonald's em Dalian, ela diz que cortou laços com seu último cliente norte-coreano em fevereiro, quando a ONU estava prestes a aprovar novas sanções, e que, ao que saiba, nunca ajudou empresas norte-coreanas a infringirem as leis.

Xie observa que muitas empresas pequenas de transporte marítimo foram registradas sob seu nome em Hong Kong, uma estratégia que visa distribuir o risco: se um navio é envolvido numa disputa, os outros navios e empresas não estão envolvidos. "É uma prática comum neste setor registrar muitas empresas", ela diz, acrescentando que seus pares no setor lhe disseram para fazê-lo em Hong Kong, onde é possível registrar empresas sem endereço ou bens no território.

Em Hong Kong, há documentos apontando para duas empresas de transportes marítimos registradas no nome de Xie Qun e que foram dissolvidas.

O Escritório de Comércio e Desenvolvimento Econômico do território chinês diz que tem conhecimento de relatórios do Painel de Especialistas da ONU que acusam empresas de facilitar o comércio ilícito com a Coreia do Norte e que está "analisando os casos em que haveria envolvimento de firmas registradas em Hong Kong".

Reguladores e institutos de pesquisas dos EUA identificaram várias grandes empresas chinesas, muitas delas sediadas em Dandong, na fronteira com a Coreia do Norte, que eles acreditam que estejam auxiliando o programa de armas de Pyongyang. Também identificaram as pessoas responsáveis pelas empresas.



menu
menu