CNI sobe para 3,5% estimativa de contração do PIB brasileiro em 2016

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) piorou de 3,1% para 3,5% sua estimativa de retração do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano. A informação consta no Informe Conjuntural do segundo trimestre de 2016, divulgado nesta quinta-feira (7).

"É quase certo que o momento de aprofundamento da recessão foi superado e que a economia alcançou o 'fundo do poço'", avaliou a entidade, acrescentando que "não há deterioração adicional da atividade econômica".

Para a CNI, a economia brasileira se encontra em um momento de "transição", pois os chamados "indicadores antecedentes", ou seja, aqueles que antecipam a trajetória da economia, mostram recuperação, assim como os índices de confiança.

"Os indicadores do comportamento real da economia, contudo, registram oscilações e não apontam ainda uma virada na economia. Nossa estimativa para a queda do PIB em 2016 é de 3,5%, com recuo de 5,4% para o PIB industrial", acrescentou a Confederação.

Consumo e investimento

A entidade avaliou ainda que as condições da demanda doméstica, porém, permanecem "bastante deprimidas em virtude do elevado desemprego e da situação financeira das famílias, com alta na inadimplência e capacidade de endividamento restrita".

"Nesse cenário, mesmo com uma recuperação gradual da confiança do consumidor, não se deve esperar uma reação mais expressiva do consumo doméstico." Do lado do investimento, avaliou que também não há "expectativas positivas a curto prazo".

"A ociosidade do parque produtivo é recorde para o período recente, a confiança dos empresários ainda se encontra no lado não otimista e o custo e disponibilidade de financiamento não favorecem a retomada de projetos novos", analisou.

Desemprego em alta

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria, os primeiros cinco meses deste ano confirmam o cenário de deterioração previsto para o mercado de trabalho em 2016.

"O desemprego, que ultrapassou os dois dígitos [acima de 10%] ainda no primeiro bimestre, segue em trajetória de alta. Nesse cenário, a expectativa da CNI é que a taxa média anual atinja 11,5% da População Economicamente Ativa (PEA)", acrescentou.

A entidade observou que o desemprego é tradicionalmente um dos últimos indicadores a apresentar deterioração em momentos de retração econômica, assim como reação em momentos de retomada do crescimento.

Governo interino aumenta gastos

A CNI piorou sua projeção para o resultado das contas públicas neste ano, passando a estimar um déficit primário (despesas maiores do que receitas, sem contar juros da dívida) da ordem de 2,6% do Produto Interno Bruto para este ano, contra a previsão anterior, feita em abril deste ano, de um rombo de 1,7% do PIB.

A entidade observou que o governo do presidente em exercício, Michel Temer, enviou ao Congresso uma proposta de limitação dos gastos públicos, com base na inflação do ano anterior, incluindo Saúde e Educação, e considerou a medida "positiva".

"No entanto, medidas recentes que levaram a aumentos nos gastos públicos, aliadas a outras anteriormente conhecidas, ameaçam a viabilidade de implementação do limite de crescimento das despesas", acrescentou.
Para a CNI, são necessárias "medidas adicionais para disciplinar o crescimento do gasto, como, por exemplo, uma reforma previdenciária".

Inflação, dólar e contas externas

A Confederação Nacional da Indústria subiu sua estimativa para a inflação deste ano de 7,1% para 7,3%. "A inflação tem mostrado indícios de moderação, embora ainda permaneça muito acima da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional", informou.

Para o dólar, a estimativa média, para dezembro deste ano, passou de R$ 4 para R$ 3,30.

"A tendência de valorização do real se explica por diversas razões. Duas delas são: a obtenção de superávits comerciais nos últimos 16 meses e a recente elevação dos preços de algumas commodities. Mais recentemente, a afirmação do Banco Central de que seguirá perseguindo a meta de inflação para 2017 adiou as perspectivas de queda da taxa Selic, contribuindo para a valorização do real", informou.

Para as contas externas (balança comercial, serviços e rendas) deste ano, a projeção passou de um déficit de US$ 20 bilhões, em abril, para um superávit de US$ 1 bilhão neste mês.

"Os resultados favoráveis fizeram com que a tendência de retração do déficit em transações correntes, observada em 2015, fosse intensificada no segundo trimestre de 2016. A tendência é que o déficit se aproxime de zero ao longo do terceiro trimestre, podendo tornar-se positivo no final do ano", acrescentou.



menu
menu