Carlos Tavares: China homenageia Brasil, vantagens dos cassinos e religião compreensiva

INTERESSE CHINÊS

Demonstrando, de fato, a simpatia e interesse dos chineses, o Brasil, na recente Feira Internacional de Serviços, em Pequim, além de convidado de honra, teve dois dias especiais de homenagem. Em 29/5 realizou-se o Dia do Brasil e em 31/5 o objetivo evento Investir no Brasil, que recebeu numerosas empresas chineses e tambem missão brasileira interessada em negocios. Aliás, já chegam a 200 as empresas chinesas no Brasil, a maioria privada, inclusive no setor de serviços, como energia, comunicação, agua, portos e outros, com investimentos acima de US$ 120 bilhões. Bem a propósito, recente pesquisa em Pequim, registrando o rapido crescimento do poder aquisitivo da população da capital, apurou que 30% do consumo é de artigos importados, inclusive leite, cerveja, vinho e frutas, de interesse dos exportadores brasileiros.

CONGRESSO/CASSINOS

Prestará o Congresso bom serviço ao Pais, se aprovar, o mais rápido possivel, a reabertura dos cassinos, talvez o projeto existente na Camara. Sem qualquer ônus para o governo, os cassinos, inclusive em “resorts” (parques com teatro, shows, restaurantes, lojas, etc.) ao contrario, propiciarão renda tributaria, estimulo ao turismo e criação de empregos. Tratando-se de assunto de interesse nacional, como no exterior, essa reabertura deve ser mesmo conduzida pelo Parlamento, em comissão mista, (governo/oposição) sem disputa partidaria. A recente visita do maior empresario mundial de cassinos, Sheldon Adelson (com os principais hoteis/cassinos de Las Vegas e Macau) – que almoçou com o bispo-prefeito Crivella no Rio – prova as reais possibilidades do Pais nessa atividade. Caso aprovada com urgencia, a instalação de cassinos – com a regulamentação/fiscalização necessaria – na rede internacional de hoteis aqui existente, a entrada de recursos (dolares novos de investidores e turistas estrangeiros) certamente compensaria o gasto de R$ 9,6 bilhões com o diesel.

JOGO/RELIGIÃO

Em pleno século 21 as modernas igrejas cristãs têm sido tolerantes com os jogos de fortuna – basicamente cassinos e bingos - considerando a contribuição que oferecem para o turismo, arrecadação de impostos e criação de empregos. Nos EUA os bingos passaram a sustentar várias paróquias, em particular no estado de Massachusetts, inclusive com anúncios como este : Covington Catholic Bingo. Por seu turno, o próprio Banco do Vaticano tornou-se acionista da Alínea C, com transatlânticos/ cassinos. Atualmente os EUA e a China – com seus dois maiores centros mundiais de jogos em Las Vegas e Macau – assim como os países mais religiosos como a Itália, França, Portugal e Espanha, mostram como aproveitar os cassinos para estímulo ao turismo. Bem a propósito, é interessante lembrar que o bingo foi criado na igreja e um padre inventou a roleta.



menu
menu