Carlos Tavares: Coronavírus ajuda Trump; para Marco, exportar é a solução; e redação inteligente

CORONAVIRUS

Essa terrível epidemia – felizmente para outros países – surgiu na China que tem povo disciplinado e muito dinheiro para gastar com a rápida eliminação. Foram injetados US$ 175 bilhões no mercado para fortalecer a moeda chinesa e também construídos dois hospitais para mil pessoas cada, em 10 dias. O Presidente da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom, declarou que tem plena confiança na China e concordou em não aplicar medidas restritivas ao comercio e às viagens. Pelo visto, o presidente Trump é a única pessoa do mundo a apoiar o Coronavírus, que conseguiu travar um pouco a economia do gigante asiático, coisa que as medidas que tem tomado não conseguiram. Essa epidemia poderia ter surgido em qualquer outro país.

A SOLUÇÃO

O executivo Marco Polo de Melo Lopes foi um dos lutadores, anos atrás, pela modernização dos portos e hoje, como presidente do Instituto Aço Brasil acha que “a indústria tem uma necessidade monstruosa de exportar”. Em longa entrevista ao jornal Valor ele reconheceu que a indústria de modo geral tem 35% de ociosidade que na siderurgia atinge a 30%. Falou também, que o assunto já foi levado ao conhecimento do secretario da Receita, José Barroso, e do próprio ministro Guedes. Parece que estamos de volta ao “exportar é a solução”, dominante na indústria no passado.

INTELIGÊNCIA

A Agência Xinhua acaba de inaugurar em Pequim a primeira redação inteligente (da China e do mundo), pelo próprio presidente da central de noticias, Cai Mingzhan. Segundo ele, com a ajuda da Inteligência Artificial a produtividade pode ser aumentada em até cinco vezes, permitindo investimento em inovação criativa. E a redação inteligente usa um robô de câmera de noticias (Media Brain) e também o sistema de monitoramento para identificar noticias.






menu
menu