Exportações brasileiras de café retomam crescimento em agosto

As exportações de café brasileiro retomaram o ritmo de crescimento no mês de agosto de 2016, segundo dados do relatório mensal produzido pelo Cecafé – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil. Até o momento foram 2.692.282* sacas de café no mês passado, um crescimento de 37% em relação ao mês de julho, quando o país exportou 1.956.116.

Deste montante, 2.362.662 de sacas exportadas foram de café arábica, 39.327 de robusta, 287.916 de solúvel e 2.377 de torrado e moído. Todo esse volume foi responsável por uma receita cambial de US$ 430,481 milhões.

O total exportado de janeiro até agosto de 2016 computou 20.936.248 sacas, com receita de US$ 3.127 milhões. Já a soma dos últimos 12 meses (set/2015 até ago/2016) registrou 34.406.071, com total de receita de US$ 5,175 bilhões. O acumulado dos primeiros dois meses do ano safra 2016/2017 atingiu 4.648.398 de sacas.

Segundo Nelson Carvalhaes, Presidente do Cecafé, a retomada do ritmo de exportações de café brasileiro em agosto já era esperada. “Após um período de entressafra, certamente teremos um crescimento gradativo e sustentável daqui para frente, uma vez que o café brasileiro, considerado como um dos mais qualificados e sustentáveis do mundo, continua com a demanda necessária e crescente”, completa o executivo.

*Por conta da greve na alfândega do Porto de Santos não foi possível apurar todo o fechamento do mês de agosto, que traria resultados ainda melhores. Os números serão atualizados pelo Cecafé nas próximas semanas.

Principais destinos

Entre os países de destino do café brasileiro, destaque para Rússia, que aumentou o nível de importação do produto em 16,6%, e da Suécia (incremento de 5,3%). Vale ressaltar ainda o crescimento de 8% nas exportações de café para o leste europeu e de 9% na Oceania.

No acumulado do ano civil (janeiro a agosto de 2016), 120 países consumiram o café brasileiro. Os EUA continuam na liderança com 19% do volume (4.041.713 sacas), seguido pela Alemanha com 18% (3.760.198 sacas). Já a Itália, com 1.681.762 sacas, retomou o terceiro lugar antes ocupado pelo Japão, que com 1.578.423 sacas agora ocupa a quarta posição.

Cafés diferenciados

As exportações de cafés diferenciados (aqueles que têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis, por exemplo) continuam se destacando. Em agosto de 2016, foram 406.040 sacas embarcadas, um crescimento de 9,1% na comparação com julho desse ano.

No acumulado de janeiro a agosto de 2016, os cafés diferenciados representaram 19,2% dos embarques, com um total de 4.014.262 sacas, alcançando preços médios aproximadamente 26,6 % superiores à média total do café verde exportado.

Os 10 maiores países importadores de cafés diferenciados brasileiros representam 81,1% dos embarques. Os EUA continuam sendo o maior comprador deste tipo de café, com uma fatia de 20% do total de exportações – 820.193 sacas no período. Japão, com 14% (563.618 sacas) fica em segundo, seguido pela Alemanha com 12% (465.513 sacas).

Preços

O preço médio registrado em agosto de 2016 foi de US$ 159,89, com alta aproximada de 3% em relação ao mês anterior (US$ 155,56). Este valor foi o mais alto dos últimos 12 meses.

Portos

O Porto de Santos segue como principal via de escoamento da safra para o exterior, com 84,1% (17.601.504 sacas) de participação no acumulado entre janeiro e agosto de 2016. Porém, há um incremento no aumento nos volumes embarcados pelos Portos do Rio de Janeiro (inclui Sepetiba), que representaram 11,6% (2.430.508).



menu
menu