Turismo Sustentável foi tema de seminário na CNC no Rio de Janeiro

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) apoiou e sediou o Seminário Internacional de Turismo Sustentável, no Rio de Janeiro, no dia 30 de novembro. O evento, organizado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), reuniu palestrantes nacionais e internacionais que apresentaram boas práticas de gestão da sustentabilidade em meios de hospedagem e destinos turísticos, além da contribuição das operadoras, parques e do setor de alimentação para o tema.

A mesa de abertura do evento contou com a participação do secretário executivo do Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da CNC, Eraldo Alves; do coordenador da Comissão de Estudos da Gestão da Sustentabilidade para Meios de Hospedagem da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), Alexandre Garrido; da coordenadora de Turismo do Sebrae-RJ, Margareth Carvalho; e da diretora substituta do Departamento de Formalização e Qualificação no Turismo do Ministério do Turismo, Isabel Barnasque.

Brasil é exemplo para nova norma ISO de sustentabilidade em hospedagem

O secretário executivo do Cetur/CNC lembrou que o seminário acontece em paralelo à reunião do grupo de trabalho sobre Turismo Sustentável da International Organization for Standardization (ISO), composto por representantes de 58 países. O grupo está desenvolvendo uma norma internacional de sustentabilidade para os meios de hospedagem com base na norma brasileira da ABNT. “Queremos ressaltar o bom trabalho que a ABNT tem realizado no Brasil com relação às normas no campo de Turismo. As normas brasileiras para a hotelaria estão viajando mundo afora e vão embasar a criação de uma ISO para o setor”, lembrou Eraldo.

Na ocasião, a representante do MTur enfatizou a importância da construção de uma agenda conjunta entre todos os envolvidos no setor. “O Brasil, na condição de número um em recursos naturais segundo ranking do Fórum Econômico Mundial, deve ter um olhar ainda mais atento ao tema da sustentabilidade”, disse Isabel.

Ano internacional do turismo sustentável

O ano de 2017 foi declarado pela Organização das Nações Unidas (ONU) o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento. Alexandre Garrido acredita que a repercussão do tema pela ONU pode ajudar na divulgação e conscientização. Garrido explicou que a norma da ABNT para a sustentabilidade nos meios de hospedagem é acessível e pode ser implementada tanto por pequenas quanto por grandes empresas. “Hoje a gente tem um passo a passo que ajuda o empresário a implementar a gestão da sustentabilidade, o que vai permitir que ele possa gerenciar seu negócio com mais competitividade”, afirmou Garrido.

Sustentabilidade gera ganho de competitividade

Entre os casos de sucesso com bons resultados de gestão da sustentabilidade em meios de hospedagem, foi possível perceber que as normas se aplicam a empreendimentos de diferentes portes e permitem às empresas ampliar a competitividade.

Na pousada Spa Don Ramon, com onze quartos e cinco funcionários, em Caxias do Sul/RS, foram três anos para implementar o processo de diagnóstico e documentação. Entre os resultados alcançados, foi possível diminuir a rotatividade de funcionários, que hoje têm uma média de quatro anos e meio na empresa, e alcançar um nível de 95% de satisfação do cliente, já mantido há mais de quatro anos. “Crescemos inclusive nos anos de crise e percebemos que o momento pode ser de oportunidade para quem está organizado e tem gestão”, afirmou o representante do Spa, Vicente Atz.

Outro exemplo foi o do Mabu Thermas Grand Resorts, em Curitiba/PR, que obteve redução de 30% no consumo de energia elétrica e de 20% no uso de gás, isso em um resort com 364 apartamentos é uma conta que faz a diferença. A empresa está implementando a gestão de água, já faz o tratamento dos resíduos contaminantes e realiza projetos sociais e ambientais envolvendo colaboradores e a comunidade do entorno.

“Tenho plena certeza de que inserir a sustentabilidade na gestão das empresas as torna mais competitivas, basta observar os casos apresentados, que mostram que as empresas não buscavam obter melhores resultados econômicos, mas conquistaram isso. Seja porque reduziram custos operacionais, seja porque se diferenciaram no mercado em relação a seus concorrentes, seja porque agradaram mais ao cliente”, conclui o coordenador da Comissão de Estudos da Gestão da Sustentabilidade da ABNT, Alexandre Garrido.



menu
menu